Racismo faz mal à saúde

O artista Arthur Bispo do Rosário, “o Bispo”, e detalhe de seu “Manto da Anunciação”

A afirmação “RACISMO FAZ MAL À SAÚDE MENTAL” tem como premissa o notório e indesejável efeito do racismo, que pode se configurar como sofrimento psíquico. Reconhecer as expressões manifestas ou tácitas do racismo e seus efeitos em indivíduos e na coletividade é um primeiro passo para dimensionar suas implicações na conformação do sofrimento psíquico. É imprescindível que reflexões dessa ordem permeiem as relações sociais e comunitárias. É importante que as implicações do racismo estejam presentes, também, como parte do saber e fazer dos serviços de saúde e, sobretudo, nas práticas relacionadas mais diretamente à saúde mental. Propósito disso é o aprimoramento da atenção e do cuidado oferecido pela Rede de Atenção Psicossocial do SUS – RAPS, de modo a envolver em suas práticas, um olhar sobre os efeitos do preconceito e da segregação, referencialmente imbricados nas questões étnico raciais em nossa cultura. A questão racial é uma construção social e de coletivos. Entre outros aspectos, envolve questões éticas, políticas e culturais e está intrinsecamente associada aos determinantes de saúde. Essas considerações refletem um pouco daquilo de que se ocupa o Grupo de Trabalho sobre Racismo e Saúde Mental do Ministério da Saúde.
O Grupo de Trabalho sobre Racismo e Saúde Mental foi composto pela Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas – CGMAD/SAS, em parceria com o Departamento de Apoio à Gestão Participativa – DAGEP/SGEP, com a Politica Nacional de Humanização/SAS, o Departamento de Gestão da Educação na Saúde – DEGES/SGTES e o Departamento de Atenção Básica – DAB/SAS. Vem se reunindo mensalmente, desde abril de 2014, para discutir o tema Racismo e Saude Mental. Além de representantes do Ministério da Saúde é composto também por representantes da academia e representantes da sociedade civil organizada vinculada ao tema da questão racial e saúde mental. Entre os propósitos mais diretos desse grupo está o de delinear estratégias que culminem na consolidação do cuidado em saúde junto à RAPS, visando aprimorar a escuta e acolhimento aos usuários de seus serviços, bem como adotar práticas de promoção da saúde que compreendam negros e não negros por meio de práticas intersetoriais.
Nos debates desenvolvidos no Grupo de Trabalho sobre Racismo e Saúde Mental é reconhecida a necessidade de propiciar ao profissional de saúde, subsídios para que aguce seu olhar sobre as questões raciais e seus efeitos na conformação do sofrimento psíquico. Entende-se que as ações em saúde, por seu conjunto, devem ser dirigidas para todos os usuários e profissionais de saúde ou da rede intersetorial, e não exclusivamente à população negra. Há de se considerar o negro, que se angustia por sua condição, do mesmo modo que o não negro, que se angustia por não saber lidar com a questão racial e seus próprios valores.  A logica de qualquer ação nesse campo é promover a quebra da repetição de condutas excludentes e do preconceito. Nesse sentido, a ampliação do preenchimento do quesito raça-cor é primordial para a formulação das políticas públicas de saúde, inclusive em saúde mental. A questão racial também não aparece de modo significativo no Projeto Terapêutico Singular, o que sugere que as estratégias de cuidado, usualmente, não consideram o pertencimento étnico e identitário do usuário.

Especificamente no que diz respeito ao tratamento em drogas, é imprescindível que o profissional de saúde esteja atento à equivocada vinculação racial aos problemas de dependência e homicídios. O racismo é uma violência que deve ser tratada em seu aspecto estrutural social. A criação, difusão e apropriação das tecnologias para lidar com a temática racial também é uma necessidade da Rede de Atenção Psicossocial. Para isso, é preciso fomentar ações de pesquisa e campanhas publicitárias de ampla divulgação à população, para além dos processos de sensibilização e envolvimento de profissionais de saúde.
Estabelece-se como perspectiva a realização de “campanha” para profissionais de saúde visando um conjunto de estratégias a ser desenvolvidas junto à RAPS, além de ampliar o debate sobre o tema. A formação profissional individualizada induz a pensar o sujeito como produtor da própria doença, daí a dificuldade em discutir temas que envolvem aspectos sócio históricos. Há um esforço da saúde mental de superar essa perspectiva individualizante da atenção. É preciso despertar para a dimensão social, para além da questão da doença. O que se pensa quando se pensa em “linha de cuidado”? É preciso olhar o sujeito na sua integralidade. Não é de doença que se trata, mas de tudo que provoca sofrimento. Olhar efetivamente para o sujeito é enxergar o que está por trás da queixa.
Ainda que se ressalte a sensibilidade humanística dos trabalhadores de saúde mental, há pouco acúmulo e reflexão que tangencie o tema étnico-racial na RAPS. Para além da saúde mental, é possível dizer que as produções que tratam com profundidade as relações entre racismo e sofrimento psíquico são escassas e pouco difundidas. É preciso recuperar a própria história da reforma psiquiátrica vinculada à questão racial.
Todas essas impressões produzidas no Grupo de Trabalho sobre Racismo e Saúde Mental estão em muitos lugares e precisam ser estimuladas para que se desdobrem em práticas melhores de saúde.
Aqui estão as primeiras conclusões do Grupo de Trabalho sobre Racismo e Saúde Mental. Esta exposição na Rede HumanizaSUS  visa fomentar o debate, inaugurando um espaço para difundir e ampliar conceitos e estratégias sociais e de saúde que favoreçam a discussão acerca do Racismo e da Saúde Mental. É nessa perspectiva que criamos este perfil na RHS; compartilhar e trocar pontos de vista e reflexões que propiciem fundamentação às praticas do cuidado em saúde mental para atenção qualificada em saúde.
Grupo de Trabalho sobre Racismo e Saúde Mental
P.S.: Na imagem acima, homenagem a Arthur Bispo do Rosário, o “Bispo”. Homem Negro sergipano que vestia o “Manto da Anunciação” à espera do apocalipse, data na qual ele teria a missão de entregar o mundo para Deus. Sua arte foi construída a partir de materiais coletados ao longo de sua pesquisa-mobilidade urbana, conhecida como mendicância. Sua produção consistia em categorizar e ornar em “mantos”: pertences, palavras, nomes, costuras, criações e tudo mais que registrasse uma memória coletiva que não deveria ser esquecida, e sim protegida!
Adendo: Ele circundava as mediações do que hoje é o Hotel da Loucura, continuidade do trabalho de Nise da Silveira no Rio de Janeiro – Ocupa Nise!
Você conhece a obra do Bispo do Rosário? Veja aqui:

Comentário de Lucinha Silva sobre o Assunto:
Maria Lucia da Silva  Racismo faz mal à saúde


Racismo faz mal à saúde


Prezadxs colegas,

Quero ressaltar a importância de um espaço, largamente esperado, para uma discussão sistemática sobre o tema do racismo e seus efeitos na saúde mental. Sabemos da existência de um desconforto e resistência na RAPs para a reflexão, o que dirá na incorporação do tema no cotidiano de trabalho.
Sabemos que o desconforto e resistência não é um privilégio da Rede, situação essa materializada em todos os setores da sociedade brasileira, diretamente vinculada por um lado à negação da existência do racismo e, por outro, à dificuldade de reconhecer que a existência do racismo proporciona e garante privilégios a uma grande parcela da sociedade brasileira. Reconhecer o racismo é também reconhecer o lugar social que ocupamos.
Entretanto, não podemos mais fechar os olhos para sofrimento provocado pelo racismo em milhares de usuários do SUS; pois o sofrimento psíquico é o objeto de trabalho da RAPs que, por si só, deveria nos convocar a olhar para essa temática, pensando na organização dos serviços, na formação/sensibilização dos profissionais, assim como nas estratégias para superar/amenizar os efeitos desse mal.
Que juntxs possamos construir estratégias para superação. Vida longa ao grupo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s